sexta-feira, 16 de junho de 2017

Venceslau e mais oito cidades da região têm alto índice de problemas com crack

Das 53 cidades que compõem a 10ª RA (Região Administrativa) de Presidente Prudente, nove apresentam alto índice de problemas relacionados ao consumo de crack. Estão inclusos na lista vermelha os municípios de Álvares Machado, Dracena, Irapuru, Martinópolis, Osvaldo Cruz, Pacaembu, Presidente Epitácio, Presidente Venceslau e Teodoro Sampaio. As informações foram disponibilizadas pelo Observatório do Crack, portal da CNM (Confederação Nacional dos Municípios), que busca traçar um mapa da existência e intensidade da drogadição no território brasileiro.

De acordo com o consultor da confederação, Eduardo Stranz, o estudo é realizado com base em dados fornecidos pelos próprios gestores municipais, geralmente secretários da Saúde, Assistência Social e Educação, que respondem a um questionário sobre as ações realizadas no combate ao crack e outras drogas, quais as estruturas existentes e os recursos disponíveis, além de classificar o nível do problema em alto, médio, baixo ou sem problema. Na região de Prudente, 29 municípios têm índice médio, enquanto apenas seis possuem nível baixo. Outras nove prefeituras não responderam o questionário.

Para Eduardo, o resultado permite a socialização das informações e enfatiza a importância de promover políticas públicas a fim de conter esse cenário alarmante. O consultor acrescenta que a discussão da problemática voltou a ganhar força nas últimas semanas, após uma intervenção das polícias Militar e Civil na cracolândia (SP).

Políticas públicas
Com o objetivo de repercutir o cenário, a reportagem entrou em contato com três prefeituras que figuram a lista vermelha do Observatório do Crack. Em Álvares Machado, a Divisão Municipal de Saúde atende cerca de cinco pessoas com dependência do crack. O setor aponta que muitas vezes a família procura a ajuda, no entanto, o dependente não segue os tratamentos, o que justifica a baixa adesão entre os usuários. Já os casos graves são encaminhados ao AME (Ambulatório Médico de Especialidades) de Prudente e aqueles que aderem ao tratamento são encaminhados para unidades terapêuticas na região.

O Departamento de Comunicação do município adianta que está prevista para agosto a implantação do Caps 1 (Centro de Atenção Psicossocial), que favorecerá uma abordagem maior para os munícipes com transtorno mental e dependentes de álcool e outras drogas.

Já em Dracena, conforme a última atualização do Caps municipal, referente ao mês de maio, foram atendidos 357 pacientes, bem como 50 famílias de coodependentes. A administração pública salienta que o Centro de Atenção Psicossocial é, aliás, o seu maior mecanismo para a amenização desta realidade. Entre os trabalhos realizados junto aos usuários, estão palestras, cursos profissionalizantes, ajuda familiar, visitas domiciliares, aconselhamento, acompanhamento, internações, atendimentos individuais, trabalhos preventivos e intervenções junto à comunidade. Além do Caps, o município ainda atua por meio do Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) e outras repartições e órgãos não governamentais, como Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e Violência), Polícia Militar (através do Sistema Orion), Polícia Civil, Albergue, Pousada Bom Samaritano, Pastoral da Solidariedade, Igrejas Evangélicas, leitos da saúde mental, entre outros.

Em Martinópolis, por sua vez, atualmente 22 pacientes dependentes do crack estão em tratamento. O Departamento de Comunicação do município ressalta que o serviço é de porta aberta, logo, o interessado se apresenta voluntariamente. Dentre os atendimentos prestados pelo Caps aos usuários estão os médicos, psicológicos e sociais; oficinas terapêuticas; cuidados de enfermagem; atividade física; abordagens; busca ativa; e parcerias com outros setores da rede socioassistencial, tais como Conselho Tutelar, Cras e Creas. “O resultado permite a socialização das informações e enfatiza a importância de promover políticas públicas a fim de conter esse cenário alarmante”, diz Eduardo Stranz, consultor da CNM.

(O Imparcial)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Presidente Venceslau, Estado de São Paulo, Brazil
email: jornalintegracao@terra.com.br